Onde estamos

Em Sines, desde 4 de Julho de 2003, ao fundo da avenida principal da cidade, onde acabam os prédios e começam as vivendas, volta à esquerda e... chegou!

Av. 25 de Abril, 8 - loja C

7520-107 SINES

T.: 269630954

F.: 269630955

adasartes@gmail.com

http://adasartes.blogspot.com

sábado, outubro 17, 2009

João Tordo vence Prémio Saramago!

João Tordo, editado pela Quidnovi, venceu o Prémio Literário José Saramago/Círculo de Leitores, com o maisrecdente romance "As 3 vidas", cuja acção se passa, em grande parte, numa quinta perto de Santiago do Cacém.

Os nossosparabéns ao escritor e amigo, bem como à equipa editorial, onde pontuam Maria do Rosário Pedreira e Ana Pereirinha.
Em seis edições do prémio, depois de José Luís Peixoto e Valter Hugo Mãe, João Tordo é o terceiroamigo d'A das Artes a sair cencedor!
Notícia do Jornal de Notícias on line:
"O escritor João Tordo venceu a sexta edição do Prémio Literário José Saramago com o romance "As Três Vidas", editado pela Quid Novi, anunciou hoje, sábado, em Penafiel, fonte da Fundação Círculo de Leitores.
João Tordo nasceu em Lisboa em 1975 num ambiente artístico. É filho do cantor Fernando Tordo e de Isabel Branco, ligada ao cinema e mais tarde à moda.
Formou-se em Filosofia pela Universidade Nova de Lisboa, tendo trabalhado algum tempo como jornalista freelancer (O Independente, Sábado, Jornal de Letras, ELLE e a revista Egoísta) antes de seguir para Londres para fazer um mestrado em Jornalismo.
A paragem seguinte foi Nova Iorque, para fazer o curso de escrita criativa do City College. Foi nesta época que escreveu o livro "Os Homens sem Luz" (2004) Em 2007 publicou "Hotel Memória” e em 2008 escreveu, em parceria, o guião para a longa-metragem "Amália, a Voz do Povo".
Foi vencedor, em 2001, do prémio Jovens Criadores.
Instituído pela Fundação Círculo de Leitores com o apoio do Instituto Português do Livro e das Bibliotecas - Ministério da Cultura, o galardão celebra a atribuição do Prémio Nobel da Literatura de 1998 ao escritor José Saramago.
Com periodicidade bienal, o prémio tem um valor pecuniário de 25 mil euros e visa "promover a divulgação da cultura e do património literário em língua portuguesa, através do estímulo à criação e dedicação à escrita de jovens autores no domínio da ficção, romance ou novela em língua portuguesa, por escritores com idade até 35 anos".
As edições anteriores do prémio contemplaram Paulo José Miranda (1999 - "Natureza Morta"), José Luís Peixoto (2001 - "Nenhum Olhar"), Adriana Lisboa (2003 - "Sinfonia em Branco"), Gonçalo M. Tavares (2005 - "Jerusalém") e Valter Hugo Mãe (2007 - "O remorso de Baltasar Serapião").
O prémio foi atribuído por um júri presidido por Guilhermina Gomes (em representação da Fundação Círculo de Leitores) e composto por Ana Paula Tavares, Nélida Piñon, Pilar del Rio e Vasco Graça Moura."